Conferência sobre autismo em Almaty ("Discurso do Autismo em Almaty")

Durante uma primeira visita ao Cazaquistão em fevereiro de 2016, o Fundador da Organização Diplomática Autistan teve a oportunidade de compartilhar seus pensamentos sobre o autismo em uma conferência organizada para este fim em Almaty pela organização Pioneer.

© ЦК/Андрей ПАЛИН – Express-k.kz

Nesta foto, à esquerda está Zhanat Karatay (Diretor e proprietário do Pioneer Mountain Resort, e mãe de crianças autistas), e à direita estão duas jovens que se revezavam para traduzir em russo.

Esta palestra foi realizada no âmbito do conceito “Aliança Autista“, que é bastante experimental e abriga várias ideias, projetos ou realizações para o autismo e para os autistas.

De fato, naquela época, o conceito de Autistan já existia (por exemplo, com muitos sites, desde abril de 2014), mas ainda era relativamente vago.
Foi só com a realização da primeira bandeira física de Autistan no verão de 2016 (novamente com a ajuda da Pioneer) que a ideia de uma “organização diplomática” começou a se tornar muito mais precisa.

Essa mudança do virtual para o real (material) foi possível principalmente graças à confiança concedida pelo Pioneer Mountain Resort (começando por essa conferência), e ainda mais observando que esses “pensamentos” expostos em fevereiro de 2016 (ou seja, uma certa visão de autismo) eram de fato realistas e relevantes, como pudemos ver aplicando essa abordagem durante o acampamento de verão inclusivo de julho e agosto de 2016.

Portanto, esta conferência não é “uma conferência autistan” (e – por sinal – a Organização Diplomática Autistan não pretende dar conferências públicas, mesmo que seja possível em alguns casos), mas ainda mencionamos aqui no site da Embaixada Autistan no Cazaquistão (Autistan.kz), porque – independentemente dos “rótulos” – torna mais fácil entender o que aconteceu depois (como explicado nos outros artigos), e porque tudo isso foi feito com a ajuda do Pioneiro.

Você pode ver o artigo correspondente do blog (em AutisticAlliance.org),que está escrito em inglês e russo.
Não recomendamos assistir ao vídeo (em inglês traduzido para o russo), que é muito longo, e até um pouco soporífico 🙂 (e incompleto).
No entanto, você pode ler o texto dessa palestra (PDF),que existia apenas em inglês.

Teoricamente, não devemos publicar este texto aqui na Autistan.kz, porque esta conferência não foi feita no âmbito da Organização Diplomática Autistan, mas nós a copiamos de qualquer maneira abaixo,a fim de traduzi-lo para outros idiomas além do inglês.
Por favor, desconsidere os aspectos “muito pessoais”; esta palestra seria apresentada de forma diferente agora no contexto da nossa Organização.
No entanto, a substância do que é explicado sobre o autismo (e o não-autismo) permanece a mesma, independentemente do ” quadro “.


Nota sobre a necessidade de uma atitude “não pessoal” dos participantes:

Acreditamos que é essencial focar nos princípios, nos objetivos e nas “coisas a fazer”, e não na personalidade (ou nas “considerações de natureza pessoal”) dos participantes das organizações ou associações, o que só leva a problemas e conflitos de interesse.
As pessoas devem estar a serviço das causas, e não o contrário.
É por isso que o “Fundador da Organização Diplomática de Autistan”, mesmo que este estatuto provavelmente mereça uma carta maiúscula, é sempre mencionado da maneira mais discreta possível.
Isso não é apenas uma questão de humildade, é também para evitar desastres 🙂 e dar um exemplo aos Embaixadores, que devem falar de si mesmos o mínimo possível (ou seja, apenas para citar um exemplo pessoal útil para ilustrar uma explicação importante sobre o autismo ou as necessidades e dificuldades dos autistas).
Assim, os participantes da Organização Diplomática de Autistan devem ser designados primeiro pelo seu título ou por sua função. Seu nome pode ser mencionado se não correr o risco de criar excessos, problemas de “inchaço do ego”, ou mesmo de “culto à personalidade”.


*****

Meus pensamentos sobre ‘autismo’

(apresentação em Almaty, KZ, 12 de fevereiro de 2016)

 

0000/ Sobre a máscara

Primeiro, por que usar uma máscara?

– Preciso manter um mínimo de privacidade.

– Sou autista e não me sinto confortável quando meu corpo está exposto, especialmente para pessoas que não posso ver, mas que podem me ver (quero dizer, com o vídeo).

– Eu não gosto de muita atenção na minha pessoa : eu sou tão sensível que essa atenção é sentida como uma espécie de agressão.

– Espero que o que eu digo seja bastante interessante, independentemente da minha aparência; Eu gostaria que as pessoas se interessassem pelas minhas explicações, mais do que pela minha pessoa.

– Acho que nas relações sociais, muitos problemas vêm do “ego”.

– Este é um exemplo de adaptação autista, como um “filtro social” : Tenho agora uma interação social, mas não completa, não usual, e sou livre para me decidir os limites dessa interação, e acho que todos os autistas devem ser livres para decidir exatamente como querem interagir com os outros, desde que não os machuquem.

– Minha proteção não pode estar prejudicando; é apenas incomum, e é um pouco desagradável para você porque você não pode ler no meu rosto, mas você vai viver uma experiência bastante autista, já que muitos autistas não lêem os rostos e expressões, e de qualquer maneira meu rosto não é muito expressivo, mas minhas entonações de voz estão corretas.

 

000/ Apresentação rápida sobre mim e minha presença no Cazaquistão

Há quase 3 anos, aprendi que a razão de todos os meus problemas com a sociedade é o que você chama de “autismo asperger” ou “autismo funcional elevado”.

Ninguém sabia que eu era autista, porque muitas pessoas pensam que autista não fala, e eu estava falando na idade normal.

Desde a “revelação” do meu autismo, é como se alguém ligasse as luzes, e minha vida fosse muito menos difícil, porque eu entendo muito bem a natureza do autismo, e os mecanismos da minha diferença, portanto é muito mais fácil para mim ser adaptado aos outros, e também para evitar ser impressionado com as regras sociais e a crença de que a maioria está sempre certa.

E agora que sei que o autismo não é ruim, mas algo diferente, com qualidades especiais, não tenho mais dúvidas e vergonha, e posso até ajudar os outros autistas a entender e desfrutar de sua natureza real, que não pode ser definida por padrões não autistas, porque é um referencial diferente.

É por isso que sou ativo no campo da defesa dos autistas, na França (onde sou consultado pelo nosso governo e pela Alta Autoridade Francesa de Saúde, considerando-me como um especialista em autismo adulto), mas também a nível internacional, especialmente com as Nações Unidas.

Recentemente fui convidado para uma conferência na Rússia, na qual expliquei como consegui superar meus problemas sociais, um após um, seguindo minha inspiração e minha lógica autista e inteligência. Você pode descobrir que no site AutisticAlliance.org, onde eu posto todas as minhas gravações, incluindo a conferência de hoje, a fim de compartilhar com mais pessoas, e tentar melhorar a compreensão entre as pessoas, a fim de reduzir o sofrimento e a injustiça.

Quando planejei minha viagem para a Rússia, decidi ficar por muito tempo na região, e descobrir essa parte do mundo e da sociedade. É minha primeira vez na Ásia, e eu gosto muito.

Aqui em Almaty tive a oportunidade de conhecer uma família maravilhosa com uma criança autista; Gosto dos projetos deles para autistas, eles apreciam minhas explicações sobre autismo, decidiram organizar essa conferência; Espero poder expressar meus pontos de vista com bastante clareza, apesar da barreira linguística (geralmente falo francês, e meu inglês é pobre), e que você ache interessante, com informações suficientes para entender melhor e decidir melhor o que fazer com seus próprios filhos ou parentes autistas.

Não venho com métodos ou soluções milagrosas, mas apenas com meu pensamento autista, conhecimento e experiência, que tentarei me adaptar à situação hoje.

Sou especializado em autismo adulto e “de alto funcionamento”, mas posso dar pensamentos úteis sobre o autismo em geral.

Eu não pareço muito autista : é porque eu estou muito adaptado agora.

Mas se eu receber “agressões neurológicas”, serei muito diferente, ficarei facilmente chateado e irritado, e difícil de entender.

Meu intelecto pode se adaptar às situações, a fim de ter o comportamento social correto, mas meu corpo não pode se adaptar a variações não naturais, e meu “bom senso” não pode aceitar injustiças e inconsistências.

 

00/ Introdução

Para mim, a melhor maneira de ajudar os autistas é começar por entendê-los, entendendo que o autismo é uma maneira diferente de pensar e de viver, e que é necessário respeitar as diferenças autistas, em vez de tentar apagá-los, e de tentar nos tornar “normais”, o que é um completo não sentido.

Claro que você pode ajudar os autistas a viver melhor com a sociedade normal, mas não é necessário se tornar normal para isso.

Por exemplo, você pode aprender um pouco de francês e viver às vezes na França, sem problemas e sem a necessidade de fazer tudo como os franceses, ou se tornar francês. E os franceses não dirão que você é ruim ou tão mal adaptado ou que você tem “um problema” só porque você não é francês e você não entende ou aprecia as especialidades sociais ou sutilezas francesas.

Então, porque é tão importante entender nossa natureza, em vez de tentar mudá-la sem entender nada, vou falar principalmente sobre como vejo o autismo, como uma pessoa autista.

E, claro, depois disso, nas perguntas, podemos falar sobre qualquer assunto relacionado ao autismo, incluindo casos concretos, e conselhos para soluções e adaptações, pelo tempo que for necessário.

Esta primeira parte da conferência, que é uma espécie de “discurso”, é bastante teórica, sem exemplos, e às vezes pode ser difícil de entender, mas eu tive que tentar encurtar, e você poderá pedir esclarecimentos no final, e é claro que podemos discutir em caso de discordância : eu não sou um profeta 😉

Às vezes, minha exposição é um pouco confusa, e há repetições : é porque eu tinha apenas 3 dias para prepará-la, porque eu estive doente (com a “gripe”) durante um longo tempo.

Meu “discurso” também é muito incompleto, há muitas coisas importantes que eu não menciono aqui, porque levaria um dia inteiro, mas provavelmente vamos levantar as questões que faltam durante as perguntas.

Obrigado por sua compreensão.

 

0/ Distinções preliminares indispensáveis

Quase todo mundo está confundindo “autismo” com os problemas e/ou com a deficiência ou deficiência relacionada ao autismo.

Eu faço uma separação clara entre essas três coisas, e é necessário entender isso, a fim de entender todas as outras explicações.

Eu acho que é impossível entender o autismo (ou qualquer outra coisa) se você misturar tudo, se você não sabe a ordem e as relações entre cada componente ou aspecto.

 

0-1/ Autismo

O autismo não é uma doença, é uma variante natural na diversidade dos seres humanos, como algumas pessoas são canhotas, e outras, destras.

No passado, os canhotos tinham uma má reputação, era visto como um problema, e eles eram reeducados, para escrever com a mão direita, o que é um abuso.

O autismo é percebido como uma anomalia porque somos uma minoria muito pequena (1%), e porque a formatação social atual da sociedade os impede de nos entender.

Resumindo, estamos mostrando que “o rei está nu” ; não somos absolutamente desejáveis em tudo para manter o sistema de ilusão social, que só pode nos ver como “erros” ou “problemas” ou “perigos”, como Galileu Galilei era um problema, em seu tempo, quando ele disse que a terra é redonda.

A natureza autista faz com que a pessoa autista tenha uma espécie de “sistema super neurológico”, que é resistente e não danificado pelas interações e formatação não autistas, e que é hipersensível.

É por isso que podemos dizer que o autismo é uma diferença neurológica ou particularidade.

 

0-2/ Problemas Associados ao Autismo

Existem vários tipos de “Problemas Associados ao Autismo” (esta é a minha própria redação), como existem outros tipos de problemas associados ao não-autismo.

– Há o que eu chamo de “Comportamentos Autistas Percebidos como Problemas”

Esses comportamentos são preocupantes ou irritantes ou chocantes aos outros, mas na verdade são inofensivos, e nada prova que são problemas reais ou defeitos. Por exemplo, bater pode ser útil para a pessoa autista, e não está prejudicando ninguém. Se as pessoas não gostam de ver isso, podem assistir outra coisa, em vez de sempre tentar impor sua regra única.

Às vezes pode haver alguns comportamentos que não podem ser aceitos em público, como algumas nudez ou comportamentos sexuais, mas nada prova que é um problema de saúde ou mental, e por exemplo em algumas tribos indígenas na América do Sul esses comportamentos não seriam chocantes, e muitas especialidades autistas e nossa hipersensibilidade seriam muito apreciadas e úteis.

Podemos ver que o conceito de “problema” é relativístico, e definido pela sociedade, que decide que o que não é social é um “problema”, ou mesmo uma “doença” ou uma doença mental.

Esses comportamentos não são “problemas autistas” nem “transtornos autistas”, mas “comportamentos autistas preocupantes”. E o fato de as pessoas não entendê-las não é uma prova de que resultam de uma desordem. Na minha opinião, às vezes eles resultam da reação de uma mente pura mergulhada em um mundo social que é, com certeza, uma desordem total.

– Existem os “Comportamentos Autistas Problemáticos Resultantes de Agressões Sociais”

Eles são muito comuns.

As agressões podem ser físicas (ataques sensoriais, como ruído, olfato, temperaturas) e/ou mentais (como o sentimento de injustiça ou inconsistência).

O sistema neurológico sofrerá, mas ninguém vai prestar atenção, ou ouvir o autista (se ele pode expressar seu problema), porque as pessoas normais consideram que se não virem nenhum problema, não há problema, e porque eles não entendem o autismo e não podem imaginar ou acreditar que somos tão sensíveis e diferentes. Só porque não é possível para eles vê-lo ou senti-lo.

Então, mais cedo ou mais tarde, o sistema neurológico autista explodirá (com gritos ou gestos violentos, a fim de encontrar algum alívio, para escapar do sofrimento, que geralmente é imposto por uma situação social).

Essas crises são vistas como problemas autistas, enquanto de fato as pessoas normais, em nossa situação, reagiriam da mesma forma. A diferença é apenas sobre o nível de sensibilidade (para variações nocivas, inconsistências, erros, injustiças etc.).

– Há os “Comportamentos Autistas Prejudiciais”,como a automutilação.

Eu não sei o suficiente sobre isso, mas parece que eles são resultantes de situações sociais extremamente estressantes (como, por exemplo, ser colocado à força em um hospital).

É possível que a maioria, ou todos, desses comportamentos problemáticos, venham de um ambiente social, ou obrigações sociais, que não são adequadas para os autistas.

– Há também as “Doenças Associadas ao Autismo”,como, por exemplo, a epilepsia.

Eles não são uma razão para declarar que o autismo é uma doença.

 

0-3/ A Desvantagem

Dado que o autismo não é compreendido e não é levado em conta, e, de fato, está em conflito com o “funcionamento normal” da sociedade, então é claro que os autistas têm problemas o tempo todo, nas situações sociais.

A maioria das coisas são muito fáceis para pessoas normais, já que tudo é organizado por elas para elas.

Mas quando você é diferente do que é planejado, diferente de todos os casos normais, e você não pode “caber nas caixas”, tudo é rapidamente muito difícil.

É claro que é errado dizer que nossa deficiência é resultado do próprio autismo, ou, pior, que o autismo é uma deficiência ou uma deficiência. A desvantagem é resultado da falta de consideração das minorias pela maioria. No caso do autismo, seria bastante fácil reduzir a desvantagem, primeiro deixando-nos em paz quando precisamos, ou parando de nos levar como ou zombando de nós, ou deixando de acreditar que o que é bom para os não-autistas é bom também para os autistas, ou definindo as temperaturas dos sistemas de aquecimento para níveis aceitáveis por todos (como 22°) e não 27 ou 28 que é loucura, estúpido e impossível de viver para nós, no inverno, etc.

 

A/ Problemas não autistas e não autistas

“Autismo” é um conceito não autista.

Para nós, os autistas, não significa nada, exceto que é um rótulo que você está usando quando fala de nós.

Se tivermos que usar o conceito “autismo”, então também podemos usar seu complemento : “não-autismo”.

Para ter menos problemas com as pessoas não autistas, nós, os autistas, precisamos entender melhor o seu funcionamento.

E para as pessoas não autistas que desejam entender o que é autismo, é muito útil entender o que não é; em outras palavras, entender o Não-Autismo.

Os não-autistas vivem em grupos.

Podem ser grupos de pessoas (começando pela família, etnia, nacionalidade, religião etc.) e podem ser comunidades de interesses (como esporte, música, política, estilo de vida, roupas, olhar etc.).

Para cada grupo ou cultura eles só precisam copiar o que os outros fazem, a fim de ter uma vida mais fácil, bastante automática.

Os comportamentos que não estão de acordo com o grupo estão prejudicando o grupo, portanto os membros de um grupo devem estar de acordo com suas convenções e códigos, caso contrário têm dificuldades, sofrem e são rejeitados.

Dentro de um grupo, as pessoas pensam que os valores do grupo são melhores do que os dos outros grupos.

Eles também pensam que esses valores fazem parte de sua personalidade, enquanto na verdade eles apenas os tiraram do grupo, pouco a pouco durante toda a sua vida, especialmente durante sua educação infantil.

Por permanecerem dentro dos limites e normas e hábitos e crenças de seu grupo, eles têm problemas para entender os outros grupos, e por terem medo de sair de suas ilusões confortáveis, preferem evitar conhecer diferentes grupos e pessoas diferentes, que geralmente são vistas como problemas ou perigos, porque têm interesses que poderiam criar conflitos, ou apenas porque eles podem mostrar que as crenças ou valores do grupo não são os melhores, os únicos bons.

Portanto, outros grupos são vistos como adversários ou mesmo inimigos (o que explica todas as guerras e problemas sociais) enquanto, na verdade, todos os grupos são apenas complementares, e poderiam viver bem juntos se não criassem essas estúpidas barreiras de proteção mental.

Os membros de um grupo tendem a defender o interesse de seu grupo, sem qualquer consideração pelo interesse dos outros grupos, que estão fazendo o mesmo erro. Como resultado, há muita perda e destruição, para poucos benefícios.

Tudo isso acontece porque as pessoas vivem em grupos e são prisioneiros ou escravos dos grupos e seus valores.

Podemos dizer que a atual organização social é muito discutível.

Eles são formatados de tal forma, que mal podem imaginar que alguém diferente pode ser bom, porque seu sistema implica que todos devem fazer o mesmo, mais ou menos.

Para eles, se você é diferente, então:

– ou você não é membro do grupo, e você deve ir para outro grupo;

– ou você é um membro do grupo (como uma criança) mas porque você não parece entender ou ser capaz de se ater aos valores e códigos do grupo, e dado que você não é um estranho, então você tem um “mau funcionamento” : um problema, uma doença etc., e você deve ser curado, a fim de evitar o horror de ser considerado “doente” toda a sua vida, ou de ser rejeitado.

Se eu usar a mesma maneira de pensar, então eu também posso considerar que as pessoas que vivem neste sistema não autista têm “problemas” ou doenças.

Aqui estão alguns exemplos do que eu chamo de “Os Problemas Não Autistas”.

O problema da transformação da verdade

É a base mais comum, e provavelmente a base principal para a maioria dos outros Problemas Não Autistas.

É assim que funciona:

1/ A “abstração” da realidade

A realidade concreta (A) é descrita com palavras ou conceitos ou outros símbolos ou teorias (B), que deveriam ser suficientes para o propósito, e socialmente aceitos, mas que na verdade contêm apenas uma quantidade muito limitada de informações, que representa mal a realidade.

2/ O próprio desejo

A pessoa (ou o grupo) quer satisfazer um desejo primário de seu corpo (por necessidade ou apenas por prazer), ou uma coisa materialista (como possessão) ou uma satisfação mental (como a sensação de estar certo, ou poderoso, etc.)

3/ O pensamento teórico

A pessoa não se incomodará em se ater à realidade e à verdade (A), mas pensará usando as noções abstratas que representam a realidade (B), modificando-as e organizando-as, dentro dos limites permitidos pelo seu próprio sistema de pensamento, ou pelo que pode ser aceito pelo grupo, o que faz um resultado (C) que é correspondente B (a teoria) mas não A (a realidade).

Tudo isso é feito de má fé, mas ninguém se importa, porque é aceito pelo grupo, que aceita viver em ilusão, e prefere acreditar que a realidade artificial que está construindo é melhor do que a realidade natural.

É claro que, cedo ou tarde, o sistema artificial entra em colapso (como alguns sistemas políticos, por exemplo), e de qualquer maneira sempre há problemas quando você considera a realidade de forma diferente do que é de fato.

O Referencial Relativista Artificial

Dentro de um determinado grupo, as pessoas julgam as coisas de acordo com os códigos e convenções do grupo, e enquanto tudo permanecer dentro do grupo, eles podem acreditar que é bom e verdadeiro e o melhor sistema.

Mas quando expostos à natureza (ou a outro grupo), então os limites e a ilusão se tornam óbvios, e isso é um problema. É por isso que os não-autistas sempre tentarão organizar ou “corrigir” a natureza (ou outros grupos, se puderem) a fim de combinar com suas fantasias ou crenças.

Essa também é a razão pela qual eles estão tentando “corrigir” os autistas, que são seres naturais.

Os autistas, como a natureza e os animais, estão próximos da ordem natural, que não depende da humanidade.

É por isso que, muitas vezes, os autistas terão a sensação de estar certos, mas a sociedade dirá que eles estão errados : isso é um mal-entendido : na verdade, os autistas estão certos, de acordo com o referencial natural global, mas não estão certos no referencial social, que em si é errado e falso, tomado no referencial global.

O “Problema Normalitarista” (ou “Problema do Normocentrismo”)

Há muitas razões pelas quais é muito importante para os membros do grupo, tentar fazer como os outros.

Por exemplo:

– Se você fizer algo diferente, pode criar uma ameaça potencial para a ilusão fundamental, o sistema artificial discutível de convenções do grupo. Para eles, é muito importante não começar a pensar e questionar a validade de todo o sistema.

– Se você fizer algo diferente, então não será planejado pelas regras do grupo, e será muito mais difícil. Essas regras (que são feitas automaticamente) não são feitas apenas para manter a ilusão, mas também para facilitar as coisas e a vida no grupo.

– Geralmente, é chato para as pessoas se você se comportar de forma diferente, porque está perturbando seus automatismos.

– E também, se você fizer isso você mostra alguma liberdade que eles não têm a si mesmos, e eles podem ter ciúmes dessa liberdade, mesmo que eles não queiram fazer como você, “para evitar ter problemas”.

– Quando uma pessoa (como um autista) faz algo “estranho” e não parece considerá-lo como um problema, então essa pessoa é ridicularizada pelas “pessoas normais”, que sentem algum tipo de superioridade porque entendem que o comportamento não está adaptado (a eles), e “o coitado” nem sequer entende algo tão básico quanto a necessidade de parecer normal.

Eles não querem ser ridicularizados, ou serem considerados “loucos”, por isso são muito cuidadosos em não se colocarem acidentalmente na situação do “coitado”.

Para os não autistas, a opinião dos outros sobre si mesmos é extremamente importante. É por isso que eles veriam isso como uma terrível vergonha ou desastre se alguém se considera “não normal”.

Como resultado de tudo isso, é, de fato, uma obrigação ser “normal” dentro de um grupo, o que significa, não parecer alguém que não parece fazer parte do grupo.

Porque, é claro, o perigo mais importante é o risco de ser rejeitado, se você olhar muito diferente da norma do grupo.

Isso parece realmente horrível para os membros do grupo, porque nesse caso eles não seriam mais ajudados por todo o sistema artificial, e eles estariam sozinhos (o que é terrível para eles) e teriam que gerenciar as coisas sozinhos, enfrentando a dura realidade da natureza.

Tudo isso é tão assustador para eles, que finalmente a normalidade se torna uma regra obrigatória inegociável, quase uma espécie de totalitarismo, e é por isso que eu chamo de “Normalitarismo”.

O “Problema Confortabilístico”

De fato, as pessoas não autistas estão mais interessadas em desfrutar de seu prazer pessoal ou familiar o máximo possível, e da maneira mais fácil possível, com os menos esforços possíveis.

É por isso que eles dão muito poder ao grupo, às instituições, ao Estado, às regras, que devem resolver automaticamente todos os problemas e ajudar a melhorar a qualidade de vida, o bem-estar materialista, o conforto e a segurança.

Dado que os indivíduos, focados em seu prazer e ilusão, não querem se preocupar muito em controlar o sistema, então, muitas vezes, ele se torna muito forte, desumano, não adaptado.

As pessoas que não se encaixam no sistema (porque são incapazes ou não estão dispostas) são um problema e são vistas como indo contra o interesse geral.

É por isso que a vontade demonstrada pela população em geral de ajudar as pessoas com deficiência é, de fato, muito fraca e teórica. No papel, existem alguns textos e leis, que não são realmente aplicados, porque a maioria das pessoas não está interessada em tornar a sociedade mais complicada, diversificada e questionável, mas apenas para desfrutar de seu prazer de consumo pessoal, que é sempre mais fácil quando tudo é semelhante, cópias de cópias, não precisa pensar, pesquisar, etc.

E eles usam seu Problema de Transformação da Verdade (que é aceito por todos – exceto os autistas – então não vistos como um problema) para organizar as coisas como bem entenderem, por exemplo, declarando que um autista é “perigoso”, com base em alguns detalhes de comportamento inofensivos, que são exagerados e interpretados de forma confortável para a opinião geral, e então o sistema decide reduzir a liberdade do autista (por exemplo, enviando-o à força em um hospital) e, claro, ninguém vê objeções, dado que é feito para seu conforto e sua impressão de segurança.

Há muitos problemas não autistas; Eu não posso listar todos agora, mas eu deveria mencionar pelo menos o

“Regra do Mais Forte Porque Mais Numerosos”.

As pessoas acreditam que a opinião da maioria é sempre melhor. Mesmo quando não têm tanta certeza sobre isso, eles são usados para tomar decisões de acordo com o que a maioria pensa. Mas, na verdade, isso não tem nada a ver com lógica ou bom senso ou sabedoria, mas apenas com força e quantidades.

Além disso, em um grupo, a maioria das pessoas está se copiando juntas, o que faz com que as opiniões que não são originais, mas apenas cópias não têm valor real, mas infelizmente contam de qualquer maneira.

Os autistas são 1% do mundo, mas sua opinião, sua natureza, suas necessidades, suas qualidades, não são levadas em conta porque o mundo é organizado por 99% das pessoas para seu próprio prazer, conforto e ilusão de segurança, e porque somos tão perturbadores para seu sistema artificial e doente, que seu pensamento condicionado não pode fazer o contrário do que acreditar que estamos doentes ou loucos etc.

Os problemas de comunicação não-autistas

Vou rapidamente mencionar alguns deles:

– mentiras

– hipocrisia

– manipulações de todos os tipos (como sofeísmos)

– coisas que você deveria adivinhar, mas que nunca são expressas claramente

– imprecisões e confusões

– falta de resposta, etc.

É claro que esses problemas são problemas muito grandes e estão poluindo completamente a vida social, mas são considerados “aceitáveis” (não como problemas ou doenças) só porque todos os usam.

Este é um exemplo da combinação do Problema da Transformação da Verdade com a Regra do Mais Forte Porque Mais Numerosos, e com o Problema Confortabilístico, é claro, dado que o objetivo de todas essas perversões de comunicação é manipular as outras pessoas, a fim de obter um benefício pessoal, ou ignorá-las, para “evitar problemas”.

É muito importante entender que, em geral, os não autistas não querem resolver os problemas criados pelo seu sistema social e por seus Problemas Não Autistas, ou mesmo tentar participar dos esforços para encontrar soluções.

Claro, porque é exatamente o contrário de seu objetivo na vida : o prazer materialista, e a ilusão, sem coçar a cabeça.

De qualquer forma, hoje em dia, os problemas da sociedade são quase impossíveis de resolver, porque toda a construção é muito mal projetada, e porque tudo é feito com o cimento muito ruim dos Problemas Não Autistas, especialmente aqueles que negam a verdade e a realidade.

Além disso, tudo é artificial e mais e mais desumano, e ninguém pode realmente controlar ou desacelerar o sistema. Isso é verdade para a organização administrativa, burocrática, mas com a tecnologia chegamos agora a um novo nível, muito mais perigoso : as pessoas são cada vez mais dependentes e escravas das ferramentas tecnológicas e aparelhos, projetadas para melhorar seu conforto e o “pensar menos”, e eles estão até construindo inteligências artificiais que, na verdade, já estão começando a pensar para nós, e tomar decisões por nossas vidas.

Para sempre aproveitarmos mais facilmente, transferimos a inteligência humana para as máquinas, que são muito mais poderosas do que nós.

Como resultado, o ser humano está funcionando cada vez mais como uma máquina, consumindo os recursos naturais, sempre mais.

As pessoas estão seguindo o grupo, seguindo as regras, seguindo o que deve ser feito, as “coisas normais”, sem pensar.

O sistema social atual está levando a enormes problemas sociais e crises, incluindo desastres ambientais, e à perda da humanidade, da liberdade de pensar e da escolha das pessoas, que são apenas pequenas partes mecânicas, funcionais de uma máquina muito perigosa, antinatosa, anti-vida que ninguém pode controlar.

E nós, os autistas, somos criticados porque não queremos jogar esse jogo!

E o fato de sermos naturalmente estranhos a essa bagunça social, e que não vemos sentido em usar truques de comunicação, é visto como uma doença…

Mesmo os chamados autistas de “baixo funcionamento”, que não conseguem analisar tudo isso, ainda estão sentindo que não é bom. E é por isso que eles estão resistindo a todo esse não sentido social.

É como quando os animais não querem fazer algo, porque sentem, ou sabem, que há um perigo, ou pelo menos nenhum interesse natural ou necessidade.

 

B/ Quase todas as principais crenças e descrições sobre o autismo estão erradas, não corretas ou muito discutíveis

Vou mencionar apenas alguns:

A “doença”

Primeiro, as pessoas dizem que o autismo é uma doença, mas o autismo tem qualidades especiais. Mesmo no caso de autistas não verbais ou chamados de “graves”, eles podem ter qualidades que ninguém vê, ou que ainda não são desenvolvidas.

Mas eu não conheço nenhuma doença que estaria trazendo qualidades adicionais.

Por exemplo, sabemos que os cegos têm algumas habilidades especiais que não temos, mas a cegueira não é uma doença, e permite uma experiência especial de vida.

Segundo, o que é chamado de “autismo” está presente ao nascer, e durante toda a vida. Nunca ouvi falar de pessoas que voltam à vida com uma doença (ou pelo menos é muito rara) e que estão “doentes” durante toda a vida…

A definição usual de “doença” implica uma “alteração” ou uma mudança na saúde, mas no caso do autismo, pelo contrário, a presença profunda do autismo é notavelmente estável, e é difícil de mudar. E essa estabilidade pode ser sua grande qualidade.

“Os sintomas estão aparecendo perto da idade de 3 anos”

Embora seja possível detectar sinais muito antes, o que eu quero mostrar aqui é que algumas pessoas dizem que o “problema da linguagem” começa quando as outras crianças estão começando a falar, ou que os problemas de interação social (na verdade, uma falta de interesse) está começando quando as outras crianças estão começando a brincar juntas, etc.

Acho uma maneira muito estranha de raciocínio. De qualquer forma, se a criança autista não deve falar, você apenas detecta a diferença na idade em que os outros estão falando, e isso não significa que um problema o esteja afetando de repente nessa idade.

As pessoas dizem que o autismo é um “problema de desenvolvimento generalizado”…, e todos os “problemas” são avaliados em comparação com os não-autistas…

Eu só vejo um desenvolvimento diferente, que é mais pessoal e menos afetado pelos outros. Onde está o problema? É uma obrigação ser tão social, falar o tempo todo? Por que é um problema se não vemos sentido em brincar, ou fazer coisas bobas para bebês?

Os neurônios

Vi um documentário explicando que perto dos 3 anos de idade, as crianças não autistas estão perdendo grande parte de seus neurônios (talvez a metade), o que não é uma surpresa para mim, dado que sua educação consiste em formatá-los e tê-los copiando os outros e seguindo as regras de normalidade, então é normal que seu sistema neurológico se torne fraco e básico.

Eu li também que de qualquer maneira o cérebro autista tem mais neurônios.

Para mim, tudo isso não mostra “uma doença” ou “um problema” para os autistas.

A “desordem”

Dizem também que o autismo é uma desordem, que há uma desordem no cérebro. Isso ainda está para provar. Na minha opinião, tudo mostra o contrário, o cérebro autista é muito lógico e em ordem, e mesmo rígido e não pode estar em desordem. Eu acho que é o confronto com a desordem social, que provoca muita perturbação para um cérebro que está muito em harmonia natural e não pode reagir de forma sensata a toda a bagunça ambiente.

“Vem da mãe”

Hoje em dia, quase todo mundo sabe que essa ideia está errada, mas para quem ainda tem dúvidas, vamos apenas mencionar que é sempre possível encontrar traços autistas na família e antepassados; por exemplo, na minha própria família, tanto quanto eu poderia ir nos últimos séculos, os traços autistas são óbvios, nos homens. É absurdo dizer que todas as mães dos meus antepassados masculinos teriam os mesmos problemas de “mãe geladeira”, ou outros problemas, como se todos os meus antepassados sempre escolhessem cônjuges propensos a “promover o autismo”.

O problema das interações sociais

Se você vive em seu próprio mundo mental, então é óbvio que você não terá nem a ideia de interagir com os outros. É obrigatório?

Por que é um “problema”?

Claro que se você quer forçar o autista a “ser normal” e viver como se ele não fosse autista, então é um problema se ele não quiser interagir. Mas talvez haja outras formas de viver para os autistas, melhor do que forçá-los a serem como todos. Talvez fosse melhor ajudá-los a seguir seu próprio caminho, e respeitar sua diferença, suas habilidades autistas, sua experiência de vida única, que ninguém, nenhuma multidão, tem o direito de decidir mudar. É pessoal.

O problema da comunicação

É claro que se você não vê nenhum ponto em interagir com os outros, você também não vê nenhum ponto em se comunicar com eles. Não há problema de comunicação, mas simplesmente nenhum desejo ou não precisa se comunicar.

Para que o autista se interessasse pelos outros, e eventualmente interessado por se comunicar com eles, a primeira coisa a fazer é dar a ele uma imagem muito melhor dos outros e do meio social. Se os outros parecem hostis ou estúpidos, e se o ambiente é feio e doloroso, e finalmente todos parecem um absurdo ou um pesadelo, não há dúvida se o pensamento do autista prefere ficar longe disso.

Os “interesses estreitos”

Esta é uma das coisas mais engraçadas…

Os autistas têm a capacidade de serem muito bons nos domínios que gostam, e na verdade todos eles podem ser os melhores do mundo em seus domínios. Mas como esses interesses são “estranhos” ou “não normais”, eles não são apreciados pela maioria normal, que geralmente zomba deles gentilmente.

Isso é estúpido porque quando você é um especialista em um domínio, você pode ajudar os outros, e enriquecer a sociedade e o progresso.

Em vez disso, quase as pessoas normais têm os mesmos interesses (futebol, comida, política, falar sobre os outros, o clima, etc.), é uma vergonha total e completamente ridícula, todos eles estão se copiando juntos, eles não melhoram nem enriquecem nada, mas eles não vêem isso como um problema ou um defeito !

Em sua maneira normocêntrica de pensar, tudo o que é como eles é bom, e tudo o que é diferente é ruim, mesmo que o resultado seja totalmente insano e ridículo.

No passado, quando eu trabalhava em discotecas, às vezes as pessoas me perguntavam por que eu não fumo nem bebo… Eu estava parecendo “estranho”, não era “normal” (no grupo deles) e era quase como se eu tivesse que me justificar. Foi tão estúpido que eu não conseguia nem encontrar o que responder…

A “psico rigidez”

Para mim, a chamada “psico rigidez” dos autistas é, na verdade, um recurso de autoproteção sã, a fim de evitar cair em coisas que percebemos como negativas ou contra a natureza.

Os não-autistas também têm rigidez muito forte, o que os faz se ater ao que seu grupo está pensando, às vezes quase como uma religião, como por exemplo com o “normalitarismo” (que às vezes eu chamo de também “terrorismo normal”).

Infelizmente para nós, algumas das pessoas mais rígidas são os médicos, porque eles são completamente formatados por treinamentos e crenças muito fortes que se baseiam apenas nos aspectos físicos do ser humano (incluindo as funções mentais), e que são fortemente contrários a qualquer abordagem envolvendo o espírito e as coisas não relacionadas ao espaço e ao tempo, porque confundem isso com religiões ou velhos problemas, enquanto deve ser o caminho das futuras explorações científicas.

 

C/ Minha visão da natureza profunda do autismo, e dos mecanismos de suas relações com o mundo

Esta seção é difícil de explicar e entender.

Vou falar sobre muitas coisas que serão semelhantes às coisas que você já sabe.

Se você fizer ligações automáticas entre o que eu explico, e essas coisas que você sabe (como, por exemplo, as crenças sociais habituais sobre as religiões ou deus ou tais coisas, que não têm nada para ver com o que eu digo), haverá confusões e será difícil ou impossível me entender.

Peço-lhe, apenas durante a duração desta seção, para tentar fazer um esforço para fazer como se você não soubesse nada sobre nada 😉 Dessa forma, há boas chances de você conseguir o que vou tentar explicar, que é bastante sutil e autista e, claro, difícil de traduzir na língua não autista, para explicar com o referencial não autista e conceitos.

O Todo

O que eu chamo de “O Todo” é… tudo…

Está incluindo o que chamamos de “universo”, mas também os aspectos não relacionados ao que chamamos de “espaço e tempo”, e também tudo o que não é material, e até mesmo a ausência de nada (em outras palavras, nada), se ele existe.

O mundo material

Dentro desse “Todo”, há o mundo material que conhecemos, com as noções de espaço e tempo. Para mim é uma parte muito pequena ou aspecto do Todo. Como quando você usa um computador, você não diria que o hardware ou mesmo o software é tudo.

De qualquer forma, acho que a noção de “material” é muito discutível. Sabemos que mesmo que cavarmos muito longe na estrutura microscópica, na verdade nunca encontramos “material”, mas apenas energia, energia organizada.

Penso que o conceito de “massa” é um conceito humano justo, e que a “massa” não existe na realidade, e que a chamada descoberta do bóson de Higgs (que deveria provar a existência da massa das partículas) não é convincente, e que tudo isso é um não senso social bastante ideológico, baseado na ilusão materialista.

De qualquer forma, existem coisas que existem, e que não são feitas com material, espaço, tempo ou mesmo energia física, mas que você ainda pode sentir e que são fortes e importantes, como por exemplo o amor, que é muito comparável com uma energia que quase poderia ser medida.

Mas, falando sobre autismo, e para manter as coisas simples, vamos dizer que tudo o que não é espiritual (como o amor) é material, sem discutir a natureza interior das partículas.

A “Energia Inteligente da Vida”

Provavelmente está em todos os lugares do Todo e pode “dar vida” aos corpos materiais, desde que sejam coerentes o suficiente (na ordem natural, compatíveis com a vida).

É muito provável que, dado que esteja conectado com todos os corpos vivos, então é claro que há uma relação ou comunhão entre todos os corpos vivos, que só pode ser percebida por formas não materialistas, como telepatia ou outras experiências (como as “Experiências de Quase Morte”) não cientificamente explicadas, mas ainda reais (com muitas evidências).

Os corpos vivos

Os corpos vivos são apenas materiais (regidos pelo espaço e pelo tempo), e é por isso que quando os pensamentos são realizados no corpo, eles não conseguem entender “a ausência de espaço e tempo”.

Para um determinado corpo, há uma pequena parte da Energia Inteligente da Vida que está animando o corpo.

Isso produz um resultado : a vida individual do ser individual.

A vida individual

Esta vida individual é o “eu” e consiste nos pensamentos (ou na consciência, ou na atenção), resultando da aplicação da Energia Inteligente da Vida ao corpo, como uma espécie de reação física ou química, como quando você coloca eletricidade em alguns materiais, faz luz ou calor ou movimento etc.

Então o “eu” é um “casamento” (como o produto de uma reação ou uma combinação) entre a Energia Inteligente da Vida (não relacionada ao espaço e ao tempo) e o corpo material, como duas coisas complementares, dado que toda essa energia inteligente não pode fazer nada sem a ajuda dos corpos e coisas materiais.

A variabilidade da mistura físico/espiritual

Os corpos não são todos iguais : alguns corpos são mais compatíveis para coisas materialistas, e outros, menos; Como algumas pessoas são mais intelectuais e outras mais manuais, há pessoas que são mais espirituais e menos físicas. Isso está escrito na genética das pessoas e famílias.

Os “seres menos físicos”

Se o físico é menos importante e o “eu resultante” é menos materialista ou físico, ele convive com menos relações com o corpo, e depois mais em pensamentos; vive mais de uma forma “contemplativa”, como um “espectador da vida”; há menos interações com o corpo e com o resto do mundo, fora do corpo.

A localização da atenção ou da consciência ou do “eu”

Pode ser completamente no corpo (é o caso da maioria das pessoas, na maioria das vezes), ou em parte.

Na verdade, é fácil de entender.

Por exemplo, quando você está “perdido em seus pensamentos”, na verdade seu “eu” não está em seu corpo, mas fora do espaço e do tempo, e ele volta para o corpo quando há um estímulo externo lembrando “você” (ou sua atenção, seu processo de pensamento) em seu corpo.

Na verdade, você não pode avaliar quanto tempo você estava “fora”. E você não tem ideia sobre “onde” estava sua mente. Mas, obviamente, não estava em seu corpo. E para outras pessoas, você parecia “ausente”.

É a mesma coisa quando você dorme. Quando você acorda, você tem problemas para fazer frases ou controlar seu corpo : é só porque seu “eu” ainda não está completamente de volta ao seu corpo. E você também pode notar às vezes que alguns sonhos que parecem histórias muito longas e muito complicadas, de fato duram apenas alguns minutos quando você assiste o relógio. É porque esses sonhos ou pensamentos foram feitos do corpo, do espaço e do tempo.

E é claro que as coisas são as mesmas quando o corpo está morto ou quase morto, mas esta é outra história, fora do escopo desta conferência.

A interface neurológica

O sistema neurológico é a interface entre “material” (ou físico) e “espiritual” (ou não-material), entre o “eu” e seu corpo.

Dado que o autista “eu” tem poucas interações físicas ou mecânicas ou musculares direcionadas ao seu corpo ou fora de seu corpo, então ele vive mais nesta interface, e é por isso que é tão sensível e eficiente.

A hipersensibilidade

Tem várias razões:

– dado que o sistema neurológico tem poucas interações com o resto, permanece bastante “novo” e “virgem” (como um bebê) e menos usado do que menos “insensível”

– se o sistema fosse mais utilizado, seria mais em “simbiose” e não veria diferenças (como um corpo na água)

– dado que a atenção (os pensamentos) geralmente não está localizada no corpo, cada pequeno “estímulo” (como tocar de surpresa) é doloroso porque força brutalmente a atenção para voltar ao corpo (o mundo material), como quando você acorda alguém

As irritações neurológicas

– Fisicamente, dado que o sistema neurológico autista é mais sensível e pouco acostumado às interações físicas, então é claro que é mais facilmente irritado com as agressões físicas, e essas agressões são inúmeras porque somos mais sensíveis às variações e inconsistências, e porque as pessoas não autistas estão produzindo muitas agressões, que são inofensivas para elas.

– E mentalmente, dado que a ordem neurológica e os valores no cérebro permanecem “puros” e intocados, eles são mais perturbados pelas inconsistências e injustiças (que, mais uma vez, são produzidas em altas quantidades pela sociedade não autista, que as aceita), e pode ser tão doloroso que o cérebro não tenha outras opções a não ser “fechar a porta” para proteger a mente autista de invasões muito prejudiciais.

A distância

O ser do indivíduo autista é então o resultado da Energia Inteligente da Vida e um corpo mais orientado para a vida espiritual e sutil, com menos interação com o corpo (e, assim, com o que está fora do corpo).

Há uma parte importante do “eu” permanecendo completamente fora do corpo (fora do espaço e do tempo), e uma pequena parte que está no corpo, mas limitada à interface, concentrada no sistema neurológico (incluindo o cérebro).

A vida de um autista é mais a vida de seus pensamentos do que de seu corpo, e é por isso que seus pensamentos são tão poderosos, e por isso muitos autistas (como eu) não fixam naturalmente sua atenção em coisas diferentes de seus próprios pensamentos, e também por que alguns autistas têm algumas interações incomuns com seu corpo, através de seus músculos.

A vida física é limitada principalmente a sensações.

A experiência de vida autista é mais sobre observar o mundo com um ponto de vista distante da sociedade e seu não senso, e mais próximo da natureza.

Temos que manter distância para evitar cair nas armadilhas dos erros sociais e da ilusão, e evitar imitar tudo isso.

As Características Essenciais do Autismo (ou “as chaves”)

Eu vejo as seguintes coisas:

– a “coerência” (ou consistência)

– a harmonia, a ordem, a arborescência

– a não confusão, a não mistura, a precisão e os detalhes

– a “pureza”, a “transparência”

– a “retidão”, os “links diretos”

– a ausência de limites

– a resistência ou “rejeição”

Para mim, tudo isso parece uma espécie de “cristal”, ou uma “estrutura cristalina do espírito”.

Quando você considera que o que é chamado de “autismo” é composto por todas essas coisas, então é bastante fácil entender profundamente o autismo, e adivinhar o que é bom e não é bom de se fazer, em uma determinada situação.

É como se você tivesse as chaves do autismo; talvez eles pareçam um pouco misteriosos ou difíceis de usar, mas pelo menos agora você tem as chaves que eu encontrei.

Eu mal posso dar mais explicações, mas se você pensar em todas essas coisas, você vai descobrir melhor o que é autismo.

 

D/ A experiência de vida autista e a utilidade

O ser autista está mais próximo das coisas espirituais e da Energia Inteligente da Vida, mais próximo da harmonia, coerência e justiça – é por isso que é rapidamente e facilmente prejudicado por coisas não autistas, que são vistas ou sentidas como contra o referencial global (verdade natural e bom e justiça etc.).

Os seres não autistas estão mais interessados em coisas materiais e físicas; é por isso que eles organizam suas vidas em torno disso, com regras e convenções artificiais, que podem parecer corretas em seu referencial limitado, mas são ruins no referencial global, e as notícias de TV estão provando isso todos os dias, mais fortes e mais fortes.

Eles também constroem algum tipo de “auto-escravidão” para evitar ter que pensar, e apenas desfrutar da vida materialista, no modo automático.

Naturalmente, o ser autista não pode ser atraído por tudo isso, é claro.

O ser autista vive uma vida única, pessoal, bastante meditativa ou contemplativa, que raramente pode se beneficiar de interações com os outros (que, pelo contrário, são perturbadores).

Ele pode ter algumas boas relações com pessoas de confiança, como sua mãe, mas no mundo de hoje, a sociedade parece muito absurda, ter o desejo de se comunicar com ela – e também, o ser autista poderia se comunicar melhor com o pensamento (como os animais) do que com a linguagem, que é artificial, materialista e cheia de riscos de erros e mal-entendidos.

Alguns autistas são em sua maioria não físicos e devem ser respeitados e protegidos (e não forçados a viver no hospital ou em centros especiais), talvez tentando ajudá-los a fazer sua experiência de vida espiritual e talvez tentando entendê-los e olhando se eles podem compartilhar algo com a sociedade (como os eremitas ou xamãs) – sem forçá-los, sem a ditadura social.

E se eles vivem bem e se não forem mal tratados, eles podem vir a ter algumas relações com a sociedade, se quiserem.

Alguns outros (como eu) não são tão desconfortáveis com o corpo e o material e podem interagir com a sociedade. Eles podem viver sua própria vida especial, mas também aprender a viver com os outros, e compartilhar. Eles devem ser protegidos quando necessário (e não forçados a proteção inadequada) e respeitados (com o direito de estar sozinhos quando quiserem, e com o direito de não serem forçados a copiar os outros). Eles podem ser ensinados a viver (e até mesmo trabalhar) com a sociedade, assim como papéis a desempenhar, e não como “exemplo da vida certa” ou “pessoa correta para se tornar”.

Quando o ser autista tem habilidades sociais suficientes para entender tudo isso (autismo e não-autismo) e entender que o autismo não é um problema em si mesmo (nem uma doença) e que não há razão para se envergonhar (pelo contrário…) então ele pode se colocar “acima” das situações, ele (ou ela) pode ficar menos impressionado com as regras sociais e de normalidade e os automatismos, então ele sofre muito menos, a adaptação é mais fácil, não há “opressão” (exceto quando há agressões súbitas (sensoriais, ou mentais).”

O próprio caminho da vida

Eu acho que a vida de alguém é algo muito pessoal e que ninguém tem o direito de interferir nisso.

É claro que as pessoas não autistas estão acostumadas a seguir caminhos pré-formados, padrão, caminhos da vida, e eles gostam, então eles assumem que o autista também vai gostar disso, ou que mesmo que ele não goste, é bom para ele. Tudo isso está errado, e não respeitando a natureza e a originalidade da experiência de vida dos autistas.

Na verdade, acho que cada ser humano deve alcançar sua própria experiência de vida pessoal única, original.

E deve ser capaz de compartilhá-lo com outros.

Em vez disso, os não-autistas estão enganando sua própria vida, porque eles apenas copiam uns aos outros, como se todos copiam a solução em uma sala de aula, apenas para ter boas notas (ou, aqui, notas), sem entender a lição.

Acho uma bobagem, e uma perda de tempo.

Mas essas pessoas querem ensinar os autistas como viver…

As qualidades

Há muitas qualidades autistas, que muitas vezes podem ser vistas como uma falta de “Problemas Não Autistas”. Vou mencionar alguns deles:

– A honestidade, sinceridade e lealdade.

– O pensamento lógico e concreto.

– O respeito das regras e da ordem.

– A capacidade de detectar inconsistências ou ver problemas que outros não vêem.

– A capacidade de fazer links lógicos e encontrar tendências, ser criativo e encontrar novas soluções (dado que eles podem “pensar fora da caixa”).

– A capacidade de se concentrar intensamente e por muito tempo em uma determinada tarefa (se eles não forem perturbados). Podemos ser extremamente persistentes e nunca desistir antes de alcançar uma missão ou encontrar uma solução, mesmo que leve uma semana sem pensar em mais nada. Os não autistas vão “cair” após um máximo de um dia, porque eles têm que satisfazer suas necessidades materialistas e sociais, e porque de qualquer maneira “eles não se importam”, eles não fazem as coisas completamente (e esperam que outros terminem o trabalho).

– A capacidade de ser apaixonado e os melhores especialistas em suas áreas de interesse.

– Uma boa resistência a falhas sociais como fumar, beber e não sentido social e comportamentos absurdos ou anti-naturais em geral.

– A capacidade de observar e analisar profundamente a realidade e o momento, em vez de se distrair e se perder em comportamentos e ilusões sociais artificiais.

– Não precisamos impressionar ou dominar os outros, uma vez que não nos julgamos em comparação com os outros, ou às vezes nem sequer temos um julgamento ou opinião sobre nossa imagem pública, e de qualquer forma os autistas genuínos não prestam atenção à opinião dos outros sobre si mesmos. Os problemas começam quando a sociedade lhes dá esse tipo de “doença”, e então eles têm vergonha e medo.

– Não precisamos prejudicar as outras pessoas, porque não precisamos da ilusão de poder e porque, como dito acima, não nos julgamos de acordo com os outros, como eles são ou o que pensam sobre nós.

– Somos diretos e claros. Não há necessidade de adivinhar ou ler nas entrelinhas.

– Alguns autistas podem ter algumas capacidades muito impressionantes nos campos da memória, matemática, linguagens, ciências, música, artes, etc.

As habilidades “acima do normal”

A vida autista é muito semelhante a uma espécie de “dia de sonho”, com o “eu” em parte na vida concreta, e em parte fora disso, ao mesmo tempo.

Os não-autistas não estão vivendo em ambos os mundos, ou estão completamente em realidade concreta, ou completamente dormindo e/ou sonhando.

É por isso que os autistas têm um potencial muito alto para acessar coisas que estão “fora do mundo material”, e às vezes eles podem fazer “pontes” entre os dois mundos, e ajudar os não-autistas. É por isso que eles podem ter muitas novas ideias e inspiração.

É por isso que, nas chamadas culturas “primitivas”, os autistas ou outras “crianças diferentes” são respeitados e se tornam xamãs, que têm poderes especiais e que podem aconselhar e curar os membros da tribo. Eles não são rejeitados como doentes, mas estimados, no centro da aldeia, mas com uma distância respeitosa necessária para sua paz de espírito, e os membros do grupo estão fornecendo-lhes todos os necessários para suas necessidades físicas (que são básicas) e sua proteção (o que é altamente importante).

É assim que as coisas devem ser feitas, e é por isso que, na verdade, não faz sentido tentar colocar todos os autistas nos empregos normais (exceto aqueles que querem tentar, é claro), em vez de ajudá-los a encontrar e usar seu potencial real.

Sobre os testes genéticos e o aborto

É necessário não matar os autistas antes mesmo de ganharem vida.

Primeiro, porque os autistas que estão vivos não teriam preferido ser mortos antes do nascimento.

Segundo, porque você matará também a maioria dos grandes inventores e criadores (como Leonardo da Vinci, Beethoven, Van Gogh, Mozart, Nietzsche, Newton, Einstein e tantos outros) e então condenará a humanidade a uma vida de cópias, escravos de seu sistema mecânico.

E quando você remove as margens da humanidade, então as pessoas que estavam próximas das margens, que eram apenas “originais”, tornam-se as novas pessoas “estranhas”, antissociais, para deixar de lado, e assim por diante, e pouco a pouco você reduz a diversidade da humanidade, como já foi feito para os animais. E no final, tudo se torna pobre e estéril, e é a morte da vida na Terra.

 

E/ O sofrimento atual e os chamados “problemas” dos autistas, oprimidos pela maioria das pessoas cuja formatação não autista os impede de adivinhar como nos entender, e cuja ilusão e valores artificiais os impedem de ver nossos lados positivos

As agressões

Os autistas sofrem de dois tipos de agressões:

– sensorial (afetando os nervos externos)

– mental (afetando nosso sistema de pensamento coerente, através do nosso cérebro : injustiça, incoerência…)

Isso está causando irritação e dor que geralmente são impossíveis de conter ou controlar.

A agressão pode ser simplesmente o fato de ser colocado em um ambiente não adequado (não calmo, não natural etc) e com alguns autistas pode produzir coisas imprevisíveis, assim como um peixe fora da água terá um comportamento ridículo e errático (ou como um pássaro em um carro).

As agressões sensoriais podem ser de todo tipo, como construções horríveis ou vistas ou cheiros, ruído, superaquecimento, toque não repreoroso ou muitos tipos de aborrecimentos que são impostos ao autista contra sua vontade pelo grupo, a regra social, que ele não precisa, e que, em geral, não são nem úteis ou necessários para ninguém.

As agressões mentais estão prejudicando a pureza autista e o senso de lógica e justiça. Na verdade, somos constantemente bombardeados por inconsistências sociais, quase em todos os lugares, nas notícias, nas conversas que temos que ouvir, nos comportamentos sociais e questões que nos são impostas, em todos os tratamentos injustos, estúpidos e absurdos que nos são impostos, ou aos outros.

O que a sociedade faz para o mundo é uma ofensa monumental ao bom senso e à natureza, e temos que observar isso o tempo todo, e até mesmo tentar acreditar que tudo isso é “normal” e “bom”.

Sem contar que somos considerados como “problemas” ou “pessoas com problemas”, o que é uma camada adicional a toda essa bobagem estúpida que todos os autistas estão sentindo, mais ou menos conscientemente.

A única maneira de não ser incomodado por tudo isso é estar longe disso, sozinho em seus pensamentos, ou com a natureza ou os animais.

Não é de admirar se o pensamento autista está totalmente “fechado” para toda essa poluição mental.

As reações nervosas resultantes da irritação

As agressões (que nunca são solicitadas pelos autistas) resultarão em sinais físicos (como gritar, chorar, atirar objetos) porque o autista tem que encontrar maneiras de expressar seu sofrimento, e torcer para que alguém pare com isso.

Além disso, é uma frustração e irritação adicionais quando você não pode se expressar e quando ninguém parece sofrer como você, e quando mesmo se você conseguir descrever claramente o seu problema, as pessoas não acreditam em você, ou mesmo se eles acreditam em você, de qualquer maneira eles não querem fazer qualquer esforço para ajudá-lo, mesmo quando é muito fácil de fazer.

Quando nosso sistema neurológico está rejeitando, ou se revoltando contra tudo isso, nossos comportamentos ou expressões não serão compreendidos pelos outros, porque eles não vêem nenhuma agressão – então eles não farão nada para pará-lo, ou para nos proteger.

As crises resultantes, estresse, raiva, depressão, sofrimento e problemas psicológicos

Dado que ninguém entende e ninguém ajuda, cedo ou tarde ocorre uma explosão.

Mas as pessoas verão apenas as manifestações visíveis dos sofrimentos, e confundem que com o “autismo”, pensarão que os autistas são “agressivos”.

Pouco a pouco, quando o autista crescer, ele vai perceber que recebe agressões o tempo todo, e ele vai pensar que a vida é isso, e que a sociedade é isso, injusto, estúpido, hostil etc., e então ele terá sentimentos de tristeza e discriminação e frustração, um sentimento muito profundo de injustiça, e sua vida será muito desconfortável porque ele não vai entender o não sentido da sociedade, nem por que todas as pessoas parecem felizes com essa bagunça, enquanto ele sabe bem que é ruim e errado, e, acima de tudo, ele sofrerá com a injustiça dos maus tratamentos impostos a ele pelos outros.

Então ele terá enormes dúvidas sobre si mesmo, uma autoestima muito, muito pobre, com a sensação de ser azarado, no planeta errado, ou como um erro da natureza etc., e tudo isso é agravado pela constante zombaria e bullying dos outros.

O auge de toda essa infâmia é quando o medicamento diz que temos um problema e que estamos doentes ! O autista ficará impressionado com o número de tantas pessoas dizendo a mesma coisa, e ele vai começar a se perguntar quem é louco, os outros, ou a si mesmo.

Com todas essas agressões e injustiças e insegros e dúvidas e ideias erradas, e dado que ninguém o entende ou o ajuda, muitas vezes acabará com raiva, depressão, sofrimento mental, desespero, ideias suicidas ou ideias delirantes, etc.

É aí que os psiquiatras vêm, e é por isso que muitas vezes confundem autismo com uma doença mental, enquanto:

– primeiro, na verdade, esses problemas psicológicos são apenas consequências, e a minúscula camada de água em cima da parte visível do iceberg de tudo o que descrevi desde o início desta exposição (especialmente as agressões e as crises neurológicas resultantes, ignoradas por todos) ;

– e, segundo, esses problemas psicológicos aconteceriam com qualquer pessoa não autista exposta aos mesmos sofrimentos, e eles aconteceriam ainda mais rapidamente, porque não estão acostumados a sofrer toda a vida assim.

A impossibilidade de se adaptar a tudo isso, e o direito de se recusar a tentar

Não é possível (ou muito difícil) lidar com as agressões sociais (que podem ser sensoriais ou mentais) porque estamos com dor e porque nosso “bom senso” (inconscientemente) não vê por que, além disso, devemos produzir esforços adicionais de adaptação para apoiar injustiças e agressões que nunca pedimos (sem mencionar a dor adicional de ser ridicularizado e rejeitado, em cima disso).

Penso que, mesmo quando é possível adaptar-se a agressões e injustiças, não devemos fazê-lo; é um erro, escondendo nossa diferença e nosso direito de sermos sensíveis, diferentes e deixados em paz.

Na maioria das vezes, as agressões vêm da sociedade : outra razão para não ajudar os autistas a querer se aproximarem dela.

O ser autista permanece no “modo de autoproteção” e está certo em fazê-lo – temos o direito de nos recusarmos a nos adaptar (mesmo inconscientemente) ao que achamos prejudicial, inútil, absurdo, estúpido etc.

E é provável que muitos autistas estejam considerando, como eu, que a resistência ao absurdo e à falsa vida é mais do que um direito, mas uma obrigação para nós. Pelo menos, para não cair nisso nós mesmos.

O autista tem sua própria vida e interesses, não copiados sobre os outros. Não há nada de ruim em ter interesses especiais e estreitos, e é ainda melhor do que ter os mesmos interesses que todos, ou não interesses – mas dado que os não-autistas não entendem isso, eles acham isso “um problema” e chamam isso de um problema autista.

O ser autista nunca pediu para se comunicar com o grupo, e ele não está interessado pelo grupo (no qual, de qualquer forma, ele não seria capaz de seguir seus próprios pensamentos, nem apenas pensar, porque todo mundo fala o tempo todo etc.) – então ele não tem razão para se aproximar (em geral) – então quando alguém do grupo se aproxima, é uma agressão – então uma reação irritada, um problema – então os não autistas dizem que o autista tem problemas de socialização – como se fosse uma obrigação ser social. Eles são tão formatados que eles simplesmente não podem pensar o contrário.

 

F/ O que deve ser feito para melhorar a situação dos autistas em geral

“Desessodiitarização”

Se os não autistas querem ser “normais”, é da conta deles, mas em relação aos autistas, pelo menos, por favor, pare de pensar que o que é bom para você deve ser bom para nós, e parar de tentar nos normalizar ou nos “corrigir” ou mesmo nos “curar”, ou para remover ou erradicar o autismo, sem sequer entender o que é, e só porque você acha irritante e não conveniente.

Consciência, compreensão

Explique as coisas às pessoas (especialmente aos médicos e professores), a fim de reduzir o medo e as ideias erradas, que estão levando ao nosso sofrimento.

Educação

É necessário ajudar os autistas:

– sobretudo, aprender e apreciar a relação com o ambiente não social, natural (natureza, animais…), incluindo seu próprio corpo;

– segundo, aprender as coisas normais habituais que as outras crianças estão aprendendo;

– terceiro, também para aprender o “não-autismo” (como o que você faz com aba por exemplo), mas sem nos formatar : precisamos entender (mesmo sem apreciar) os mecanismos da sociedade não autista atual, não como modelo de abraçar plenamente porque seria “bom” ou “normal”, mas apenas como algo conveniente que possamos aprender e imitar para evitar problemas (como uma segunda língua ou cultura quando você viaja), uma ferramenta que nos permita acessar uma relação não conflituosa com os outros, que nunca deve ser uma obrigação, mas uma escolha pessoal e desejo;

– e também nos ensinar “autismo”, para nos ajudar a encontrar e desenvolver nossas qualidades, e entender que o autismo não é uma doença ou uma vergonha (mas para isso, primeiro você tem que entendê-lo você mesmo antes, e é por isso que estou falando aqui hoje).

Na verdade, os autistas devem ser ensinados sobre a natureza autista como uma primeira língua, e sobre os “truques” não autistas como uma segunda língua, para ser usado apenas como uma ferramenta.

Mas atualmente, apenas as receitas não autistas são ensinadas.

É como se, no passado, os russos lhe dissessem que a língua cazaque e a cultura cazaque é ruim e errada e estúpida e doente, que os yurts são ridículos e não funcionais etc, e que tudo o que tem que ser destruído e esquecido, e que só o russo é bom porque, olha, se você fala russo e se você pensa como o russo, você não tem problemas com eles e com a vida sob o regime soviético, então por que diabos você iria querer manter suas estranhas tradições e cultura estranha…

Pare de se machucar, pare a ditadura médica.

Parar as coisas inadequadas e prejudiciais, especialmente a psiquiatria e a institucionalização (vida em centros médicos especiais). Se o seu país tiver a sorte de estar livre desses centros de concentração, por favor, não os construa, não ouça os lobbies financeiros.

Infelizmente, temos na França bons exemplos do que não deve ser feito, com tantas crianças autistas exploradas nesses centros e hospitais, sem possibilidades de aprender vida e liberdade, devido aos efeitos perniciosos do nosso generoso sistema de seguridade social, e até mesmo nosso governo começa a admiti-lo.

Tenho muitos argumentos contra a institucionalização : por exemplo, se você quer ensinar os autistas como viver com a sociedade normal, isso deve ser feito na sociedade livre e normal (com acomodações e proteções), não vivendo em centros artificiais fechados, onde você só pode aprender a viver em centros artificiais fechados, sem liberdade, sem qualquer possibilidade de desenvolver a indispensável autoestima, sem a possibilidade de conhecer as “pequenas coisas” no caminho natural da vida, que fazem sua vida evoluir, as encruzilhadas e as inspirações que finalmente ajudam você a assumir o controle de sua vida e encontrar a felicidade.

Respeito

Como : o direito de ser diferente, o direito de estar sozinho a qualquer momento, o direito de ter interesses ou roupas ou comportamentos incomuns, o direito de não ter opinião sobre futebol ou as modas atuais ou estrelas do showbiz etc., sem ser julgado ou ridicularizado.

E, claro, o direito de acesso a qualquer coisa e em qualquer lugar, sem ser rejeitado “porque não nos encaixamos”.

Proteção

Medidas contra todas essas agressões sensoriais e mentais que estão arruinando nossas vidas e que ninguém vê; “espaços de fuga” especiais ou “refúgios” para nós, acessíveis a qualquer hora…

Acomodações

Estamos fazendo muitos esforços de adaptação, mas há uma parte muito pequena que é impossível de fazer por nós, porque deve ser feita pelo próprio sistema, não do nosso lado, mas não temos o poder de modificar o sistema. Seria muito fácil de fazer para o sistema, mas eles não querem, não entendem, não acreditam, não se importam, etc.

É preciso entender os autistas, pelo menos um pouco, e levar em conta o autismo em todos os lugares, especialmente nas normas administrativas – é necessário nos fornecer auxiliares sociais treinados, a fim de explicar os mecanismos das situações aos autistas e aos não autistas, para reduzir ou evitar os conflitos.

Precisamos também de acomodações para o direito de viver de forma independente e como queremos, com quem queremos, ou sozinhos, e ter uma vida social própria, não imposta.

Trabalho e criatividade

Precisamos que nosso valor seja reconhecido, precisamos de acomodações no campo do emprego, para ter um trabalho ou atividade que corresponda aos nossos interesses e capacidades, e não trabalhos estúpidos de produção, porque é muito ofensivo e degradante para nossa natureza nos usar como servos de máquinas. É o pior que pode ser feito a um autista, quando você entende que somos seres espirituais acima de tudo. Tenho certeza de que esta sociedade precisa de ajuda espiritual, e esta é a direção a ser usada, para encontrar lugares para os autistas.

Lugar certo na sociedade

Não sendo considerado inferior ou doente ou louco, mas como diferente e complementar, útil para uma sociedade que está doente em si. Mas é claro que nossa utilidade não será encontrada com as formas não-autistas usuais, e é tão estúpido dizer que somos deficientes e não úteis, como dizer que um gato é deficiente ou inútil porque ele não pode voar ou viver sob o mar. Nós somos diferentes. Diferentes maneiras, vidas diferentes, trabalhos diferentes, uso diferente, etc.

Ajude-nos a ser ousados e autônomos

Ajude-nos a entender a vida, a entender o autismo e o não-autismo, a começar a amar a vida e as relações sociais uma vez que elas são justas e que temos nosso lugar.

Assim podemos desfrutar de uma vida real, nossa vida humana especial.

Não esse “sub-vida imposto pela força, pela maioria das “pessoas de acordo”, que não entendem nada sobre nós.

E, finalmente, os autistas ousarão ser realmente eles mesmos, e não o que os outros acreditam que são (como doentes ou loucos), ou pior, o que os outros querem que eles sejam (como ser normal ou não-autista, o que é impossível e estúpido, como se você quisesse que as pessoas negras fossem brancas, para evitá-los problemas em uma sociedade branca).

Oportunidades

Precisamos que a sociedade não autista entenda todo esse absurdo, injustiça, sofrimento e desperdício, e que os líderes tenham a coragem de tomar as medidas adequadas para nos dar, enfim, oportunidades de usar nosso potencial, o que pode ser útil também para toda a sociedade. E o que pode ser indispensável.

Hoje em Almaty tenho sorte porque alguém me deu uma oportunidade muito boa de tentar explicar o autismo e defender os autistas, para todo o país, um país grande, novo e promissor. É um bom exemplo a seguir.

Acho que minhas explicações não são tão claras, mas não é tão fácil de explicar e eu não sou um gênio, eu faço o que posso, e se apenas metade do que eu digo é compreensível, muito provavelmente já fará uma grande diferença.

Em conclusão

Minha conclusão é que:

– a principal razão dos problemas não autistas (“comfortabilism”, escapando em ilusões etc.) é o medo (incluindo o medo dos esforços) ;

– a principal razão dos problemas autistas é o medo, pelos não autistas contra eles, resultando em rejeição ou falta de consideração correta, e também resultando no medo sentido pelos próprios autistas;

– os não-autistas vivem em um sistema artificial de ilusão, o que os torna presos, vítimas e escravos de sua própria máquina, quase incapazes de “pensar fora da caixa”, e aterrorizados se começarem a tentar isso;

– o fato de que há cada vez mais novos humanos que estão naturalmente rejeitando tudo isso (quero dizer crianças autistas) pode ser uma defesa natural da humanidade, podendo ser útil ou necessário para evitar a perda total da humanidade, com pessoas transformadas em máquinas humanas cujo único interesse é desfrutar e consumir, e quem, além disso, estão destruindo o planeta para satisfazer essa ganância interminável e doente;

– para evitar todos esses sofrimentos e desastres, a solução seria conciliar os seres humanos com sua humanidade natural, e conciliar os não-autistas com os autistas, pois todos os grupos humanos são complementares, não inimigos;

– para fazer isso, vejo duas coisas principais: compreensão e amor;

– mas não é tão fácil de fazer como dizer, e para isso, precisamos da coragem e dos esforços de todas as pessoas de boa vontade, bom senso e boa-fé, como você, espero.

O mais importante, para autistas e não autistas, é ousar tentar fazer coisas,conversar com as pessoas, ver as coisas de forma diferente, mesmo que seja difícil ou se houver risco de problemas.

Este é o meu método, e meu melhor conselho.

Se você não tentar, você não pode aprender, você não pode ter sucesso.

 

Muito Obrigado.

Comentários estão desabilitados no momento.